A Perigosa Moda do Espartilho que Prevalece no Instagram Chega Ao Brasil
Emagrecimento

A Perigosa Moda do Espartilho que Prevalece no Instagram Chega Ao Brasil

agosto 22, 2018   •   por Karen Coelho

Uma matéria publicada recentemente no jornal americano The Wall Street Journal mostra o quão perigoso para saúde pode ser o uso das famosas cintas e espartilhos. Trago neste artigo os principais alertas do Jornal que chamarei de WSJ daqui por diante. Vamos lá!

Depois de quase oito horas vestindo um espartilho , Shealee Governatori twittou: “Eu respiro como se estivesse na Inglaterra do século XVII “. A garota de 20 anos, tinha começado a sentir, na verdade, dificuldades para respirar. Não sabia se eu ia voltar a usar o acessessório, logo se soube — como mostra em fotos publicadas em seu Instagram— que o fez, mas não por tanto tempo.

A inesperada ressurreição do espartilho é “a última frente na batalha entre conforto e moda “, como o WSJ chamou a exploração dessa tendência perigosa.

perigos do uso de espartilhoTendência essa que é nova se considerarmos que começou em 2015 quando Kim Kardashian e suas irmãs voltaram a usá-lo e o promoveram no Instagram. Ou é muito antigo, se considerarmos que é um instrumento para contrair o corpo feminino desde lá nos séculos passados.

Diferente de uma faixa elastizada, com boches, cordões ou varetas, os espartilhos do século XXI surgiram como auxiliares em um plano de perda de peso para afinar a cintura: são usados o dia todo, e em particular enquanto se faz exercício. “Os especialistas em fitness têm dúvidas sobre os seus benefícios, a longo prazo, no entanto, e algumas das pessoas que as usam dizem que é tortura”, segundo o jornal.

Fernanda Padilha, uma comerciante, usou um para ir a um casamento. Seu marido e uma amiga a ajudou a entrar dentro de um; aos 20 minutos, começou a sentir “muito calor” e a sensação de que “os órgãos internos estavam apertados”.

Mas publicou uma selfie na mesma posição em que Kardashian mostrando como se se sentisse confortável; Fernanda colocou a imagem ao lado da sua, em que se via, para respirar ao mesmo tempo, com o espartilho meio aberto. “Eu queria avisar a todos que ser uma mulher real está bem”, disse sobre a publicação.

As opiniões, que pegou WSJ são diferentes, mas a maioria se inclina contra a peça.

Stephanie Rodriguez, de Chicago, é a única que aprecia: depois de uma primeira etapa de luta —”unhas quebradas, grunhidos”, da secretaria de 34 anos usa “como uma segunda pele” e acredita que, juntamente com a dieta e exercícios, ajuda a reduzir a sua cintura.

Em troca Sari Alvarez, de Fort Lauderdale, tentou usar um corset por um dia e, ao tirá-lo, porque não o suportava mais, sentiu uma enorme dor nas costas. “Não pude dormir bem durante dias”, disse a assistente legal de 28 anos.

Uma treinadora Tracy Anderson, advertiu no seu website que usá-lo pode tornar desconfortável algo tão básico, como comer, pela constante pressão sobre o abdômen. E um professor de fisiologia na Universidade de Missouri, Steve Ball, apontou que, em vez de fortalecer os músculos abdominais, os espartilhos os enfraquecem, porque cumprem funções que de outro modo seriam dos músculos.

Os fabricantes de espartilhos —Waist Gang Society, Waist Shaperz e Angel Curves, entre os consultados— rejeitaram essas queixas: são excessivas, e não têm base, argumentaram. Ruben Soto, presidente da Hourglass Angel, que fabrica espartilhos, desde 2007, insistiu em que os benefícios de usá-los: “A cintura parecer mais fina, e isso pode aumentar a confiança”, disse.

Alguns atribuem a seus produtos “ação termogênica“, ou seja, que produzem calor, e a área do estômago suar enquanto o usa. “Os espartilhos, que costumam custar entre R$ 70,00 e R$ 450, se promovem no Instagram, onde algumas marcas têm centenas de milhares de seguidores”, observou WSJ.

Bom, ainda segundo o jornal ele pode até afinar a cintura, mas os efeitos prejudiciais são muitos:

  • Comprime os órgãos
  • Não é indicado para postura
  • Afeta a digestão
  • Atrofia os músculos
  • Causa varizes
  • Respiração prejudicada
  • Traz deformação do tórax

E você o que pensa sobre esta moda? Deixe nos comentários e compartilha com seus amigos nas redes sociais.

A Perigosa Moda do Espartilho que Prevalece no Instagram Chega Ao Brasil
Avalie este post
Compartilhe!
Karen Coelho
Carioca, advogada, blogueira, coach de emagrecimento, coach de alta performance, analista comportamental do obeso e uma eterna entusiasta da vida. Criei o blog da Karen para poder compartilhar com vocês minha paixão pelo universo feminino.
Deixe seu Comentário