A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce – entenda!
Pele

A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce – entenda!

abril 20, 2018   •   por Karen Coelho

Você conhece a ação dos radicais livres no envelhecimento precoce? Eles estão presentes em praticamente todos os momentos da nossa vida, desde que nós nascemos. Atuam no nosso organismo e precisamos nos proteger da ação deles. Confira um pouquinho mais sobre os radicais livres e as suas consequências no nosso organismo.

Ação dos radicais livres no envelhecimento precoce

A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce mulher

O nosso organismo produz substâncias denominadas radicais livres, que são moléculas contendo número ímpar de elétrons em sua última camada eletrônica, o que torna esses compostos altamente reativos. Isso significa que está “faltando” um elétron nessa molécula. Os radicais livres podem ser formados em processos de rotina, como simplesmente respirar ou digerir alimentos.

A reação oxido-redução

Os radicais livres podem ser formados quando uma molécula recebe somente um elétron durante uma reação de óxido-redução ou durante a quebra de uma ligação entre compostos.

A reação de oxido-redução que acontece no interior do corpo humano, não é a única fonte de radicais livres do metabolismo. Existem fatores do ambiente que podem ocasionar a formação excessiva destes e, geralmente podem causar grandes danos ao organismo.

Formação dos radicais livres de maneira externa

A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce uva

Dentre as causas externas que são possíveis formadores de radicais estão: poluição ambiental, gases de escapamento de veículos, raios X , radiação ultravioleta do sol, fumo, fumaça de cigarro, álcool, resíduos de pesticidas, substâncias tóxicas presentes em alimentos e bebidas (aditivos químicos, hormônios, aflatoxinas, etc), stress e alto consumo de gorduras saturadas(frituras e embutidos).

O que é o estresse oxidativo

O excesso de radicais livres no organismo é denominado estresse oxidativo.

O estresse oxidativono envelhecimento varia de pessoa para pessoa, pois depende, além dos fatores genéticos, da qualidade da ingestão alimentar de antioxidantes (vitaminas, minerais, compostos fenólicos e outros) e pró-oxidantes (excesso de gorduras, etanol e carboidratos), da ingestão calórica e do nível de atividade física do indivíduo. A elevada ingestão alimentar, e o aparecimento da obesidade têm sido associados ao aumento da produção de radicais livres.

A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce estresse oxidativo

Diversos estudos apontam que o envelhecimento celular está relacionado ao aumento de radicais livres e espécies reativas no corpo. Alguns autores da teoria do envelhecimento sugerem que mutações ocorridas nas células, a predispõem ao envelhecimento precoce e a diversas doenças associadas a este envelhecimento.

No organismo, esses radicais de oxigênio se combinam com o DNA das nossas células e agem alterando as suas membranas. Isso dá um aspecto de células velhas que, habitualmente, seriam eliminadas pelo sistema imunológico. Porém, quando a quantidade de células alteradas pelos radicais livres é muito grande e quando, o ser humano apresenta-se mais envelhecido cronológicamente, há uma diminuição no funcionamento deste sistema imunológico e o organismo perde a capacidade de eliminar essas células alteradas.

Com isso, algumas dessas células sobrevivem e passam a funcionar de maneira incorreta, alterando as atividades dos tecido, dos órgão e de todo o corpo. Como essas células podem ter seu código genético alterado, multiplicam-se desordenadamente.

A relação com o envelhecimento precoce

A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce relação

O envelhecimento dessas células modificadas pelos radicais livres, promove o aumento da produção de novos radicais livres e espécies reativas, e com isso, leva a uma reação em cadeia na produção de novos radicais sucessivamente.

O envelhecimento humano pode estar relacionado ao grande acúmulo dessas células lesionadas e envelhecidas, ao acúmulo de danos genéticos causado por elas e redução dos possíveis reparos feitos pelo sistema imunológico.

Estas espécies reativas estão também associadas a diversas doenças crônicas não-transmissíveis relacionadas ao envelhecimento, como doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão, síndrome metabólica, artrite reumatóide e doenças neurodegenerativas (doença de Alzheimer, doença de Parkinson).

Como se livrar da ação dos radicais livres no envelhecimento precoce

Um dos métodos indicados para reduzir o problema em questão, é a reeducação alimentar (restrição calórica), capaz de diminuir a expressão de genes associados ao envelhecimento e a formação de radicais livres e aumentar a disponibilidade energética para a formação das celulas.

Com isso, constata-se que o estresse oxidativo contribui para o envelhecimento celular por meio várias e complexas ferramentas de formação molecular. A produção de espécies reativas tende a aumentar com o envelhecimento natural, com a alimentação errada, com a falta de proteção da pele, etc. Em contra partida, dietas menos calóricas, ricas em antioxidantes e pobres em pró-oxidantes complementadas por um estilo de vida saudável, com prática de atividades físicas diminuem o estresse oxidativo, os radicais livres, e consequentemente aumentam a longevidade e melhoram nossa saúde e qualidade de vida.

A ação dos radicais livres no envelhecimento precoce – entenda!
Avalie este post
Compartilhe!
Karen Coelho
Carioca, advogada, blogueira, coach de emagrecimento, coach de alta performance, analista comportamental do obeso e uma eterna entusiasta da vida. Criei o blog da Karen para poder compartilhar com vocês minha paixão pelo universo feminino.
Deixe seu Comentário